3 de agosto de 2011

Convite para as ppzetes do interior de São Paulo

A Deny Bueno, psicóloga e doula na cidade de Americana/SP, integrante desde a criação da Parto do Princípio, vai fazer uma apresentação sobre a nossa rede em um evento no dia 11 de agosto às 14 horas no Salão Nobre da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP .

A fala da Deny fará parte da apresentação dos resultados da pesquisa Nascer no Brasil - um projeto que entrevistou profissionais e mulheres e avaliou as instituições de saúde de todo o país.

"Vou falar sobre a importância das mulheres se unirem e se articularem em rede para defender seus direitos no momento do parto e do nascimento de seus filhos", adianta Deny.

A militância das mulheres está costurada com os rumos da própria vida pessoal e profissional da Deny. Ela já era psicóloga quando teve seu primeiro filho, nascido de uma cesárea necessária. Tornar-se mãe também transformou a profissional, que quis entrar no mundo do atendimento às gestantes.

Ainda dando os primeiros passos na humanização do parto, Deny se viu novamente grávida e ali sofreu – como milhares de mulheres brasileiras - as conseqüências da falta de informação e empoderamento. Nas palavras de Deny, sua filha nasceu de uma “cesárea, advinda de uma bola de cristal que provavelmente existia no consultório da minha obstetra”.

A médica alegou descolamento de membranas e perguntou se Deny preferia esperar a data provavel do parto ou poderia fazer imediatamente - já que seria uma cirurgia cesárea de qualquer maneira. “Eu, na minha santa ignorância, e acreditando que ela realmente estava dizendo a mais pura verdade, disse: ‘se vai ser outra cesárea, então faz agora!’ E assim fui pra uma ‘desnecesárea’. A médica entrou de licença gestante logo após meu parto...acho que não preciso dizer nada, né?, relembra Deny, que hoje trabalha para que outras mulheres não sejam enganadas por mitos como este.

A criação da Parto do Princípio e o empoderamento das mulheres

Depois de ganhar sua filha, Deny começou a dar apoio para as amigas e parentes, durante a gestação e no trabalho de parto. Logo, eram as conhecidas, as amigas das amigas. Um dia, no consultório, uma paciente gestante diz para a Deny, psicóloga:

-Você daria uma ótima doula!

Deny nunca tinha ouvido falar dessa profissão. Na época, a internet ainda estava engatinhando, mas já haviam grupos de debates organizados por mulheres, falando de gestação e parto. Na internet, a psicóloga descobriu a Ana Cris e fez o curso de doula.

“Bom, no meio disso tudo, participando de fóruns, debates, sites, grupos de discussão, conheci outras mulheres que também se interessavam pela causa, e a partir daí começamos a pensar em se criar uma rede...e assim começamos a Parto do Princípio”, conta.

Deny esteve no processo de gestação da Parto do Princípio, em 2005. Hoje, participa da rede realizando ações em Americana. “Sempre que existe algum evento, eu me mobilizo junto com a minha amiga e parceira Renata Olah e saímos pra luta. Temos um grupo de gestantes - estamos na fila para ser um GAPP - em Sumaré, num espaço cedido, onde nos encontramos semanalmente divulgando o parto humanizado e os direitos da mulher”.

Quer saber mais dessa história e conhecer mais militantes do parto normal? Apareça no evento: dia 11 de agosto às 14 horas no Salão Nobre da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, divulgação dos dados da Pesquisa Nascer no Brasil.

1 comentários:

Beatriz Zogaib disse...

Puxa, gostaria muito de estar lá. Vou me esforçar.
abs,
Bia
www.vidadamami.blogspot.com