29 de junho de 2010

Normal e natural.

Com a prevalência quase absoluta das cesáreas no Brasil & no sistema privado 90% dos partos são cesarianas, grande parte marcada previamente -, o nascimento é cada vez mais um procedimento médico e menos um processo natural. Muitas vezes, a mãe nem entra em trabalho de parto. Pula suas dores e delícias e vai direto para a anestesia peridural e para o centro cirúrgico.

O chamado parto humanizado vai na contramão dessa instrumentalização. É o bebê que diz o dia que quer nascer e a mãe sente cada contração. Quanto menos intervenções, melhor. O parto é mais que normal, é natural, sem cortes no períneo ou anestesia. Para aliviar a dor, os remédios são substituídos por exercícios, alongamentos, respirações e massagens.
Nada de ficar deitada de barriga pra cima durante horas, sofrendo. O parto humanizado dá liberdade à mãe, que participa ativamente do nascimento do filho. Durante o trabalho de parto, a mulher pode tomar um banho morno, se quiser. Também pode se alimentar, tem liberdade para caminhar e experimentar posições mais confortáveis.
``É muito importante pra saúde da mulher, o parto que pode perambular, tomar líquido, estar com um acompanhante. Ela se sente mais segura, se sente protagonista. Quando fica deitada com o soro, se sente oprimida, impotente, por isso muitas têm medo``, diz a diretora da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand, Zenilda Bruno.
A mulher pode inclusive escolher a melhor posição para parir. E quem disse que é deitada? A gravidade ajuda mais de cócoras, sentada na água, de quatro, de lado... Kelly Brasil preferiu de cócoras, apoiada num colchonete. Daniele Medeiros, 30, quis na água e em casa. Valdelina Sousa, 24, levou a bola de pilates para o chuveiro no Centro de Parto Natural da Maternidade-Escola e relaxou.
Foram cinco horas de trabalho de parto no hospital. Antes, outras cinco em casa, com o marido do lado. ``Com certeza fez toda a diferença o banho e a companhia dele``, diz Valdenia. Thainá, sua primeira filha, nasceu na manhã do dia 29 de abril com 3,5 quilos. O plano de saúde da mãe não incluía partos. Para ter certeza de que teria o ``maridão`` por perto durante todo o tempo, o casal foi conhecer a maternidade antes. ``Foi um parto lindo! Todo mundo da equipe chorou``, conta a enfermeira obstetriz da Meac, Ruthe Martins. ``O casal se preparou. Ele é interessado. Queria saber como acontecia, como poderia ajudar``.
Estrutura
Desde 1998, a dor do trabalho de parto é administrada com tecnologia e não com remédios na Meac. Mas faltava ter uma suíte de parto individual. Um espaço físico para dar privacidade e a estrutura ideal para o parto. Em abril de 2005, foi inaugurado o Centro de Parto Natural. Por ser diretriz do Ministério da Saúde, é mais fácil encontrar o parto humanizado em maternidades do Sistema Único de Saúde (SUS), mas um apartamento individual só na Meac.
Na rede privada, a mãe tem que levar a bagagem para o hospital: banqueta, bola de pilates, colchonete, banheira. Além disso, os profissionais estão acostumados a fazer partos no centro cirúrgico, não no quarto. O parto humanizado tem diferenças que podem parecer detalhes para quem automatizou a cesárea.
Kelly lembra a reação das enfermeiras quando ela preferiu vestir a bata ao contrário, com a abertura para frente, e ficar de sutiã porque o peito estava dolorido. ``Acho que nesse momento as enfermeiras começaram a perceber que iam começar o dia saindo da rotina``, escreve em seu relato de parto.
A obstetra Barbara Schwermann, que acompanhou o parto de Kelly e Daniele e faz partos humanizados, conta que no Hospital da Unimed os bebês nascem na sala de pré-parto, dentro do bloco cirúrgico. ``Não é o ideal, o ideal é tê-lo no quarto, mas com essa prática de cesárea de 90% quem vai fazer apartamento adequado?``, pergunta. A médica também faz partos no hospital Gênesis. Lá é possível ter o bebê no quarto.
Na prática, o parto é o inicio da maternidade. Nesse Dia das Mães, ele é o assunto do Ciência & Saúde.
E-Mais
> Um trabalho de parto dura em média dez horas, especialmente no nascimento do primeiro filho, quando a dilatação costuma ser mais lenta.
> A presença de um acompanhante durante o trabalho de parto e o parto é garantida pela Lei 546/97 de julho de 2007.
> Na Meac, 40% dos partos são cesáreas. Mesmo sendo uma maternidade referência em partos de alto risco, a unidade está dentro dos índices de partos normais do SUS.

Fonte: http://www.noolhar.com/opovo/cienciaesaude/981067.html

0 comentários: