22 de maio de 2010

Nº de cesáreas realizadas na cidade em 2009 superou média nacional.

Piracicaba registrou no ano passado, 3.046 cesáreas contra 1.779 partos normais. O número corresponde a 63,2 % dos partos realizados no município em 2009 e supera a média nacional — 39%— e é quatro vezes mais que o preconizado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que estabelece que o número as cesarianas deve representar até 15% dos partos. Os dados são da Vigilância Epidemiológica do Município e foram divulgados pela Secretaria Municipal da Saúde. Em 2008, dos 5.080 nascidos, o número de cesarianas no município representou 61,8%.

O JP consultou três hospitais da cidade. No ano passado, o índice de parto normal na Santa Casa foi de 54%. No HFC (Hospitais dos Fornecedores de Cana), os partos normais representaram 42% e no Hospital da Unimed, 12%.

O ginecologista Guilbert Ernesto Freitas Nobre afirmou que o Ministério da Saúde tenta restringir o número de cesariana pelo SUS (Sistema Único de Saúde), mas o número do país ainda é elevado comparado com outros países. "Nos convênios, os índices de cesáreas chegam a ser maior. Muitos profissionais e mães preferem agendar a cirurgia", explicou.

O médico afirmou que a cesariana precisa ser indicada pelo médico. "O profissional vai verificar se há dilatação e se tem condições para realizar o parto normal que é o natural. Muitas mulheres temem a dor, mas a recuperação no parto normal é melhor e mais rápida. Na cesariana, a pós-cirurgia precisa de cuidados especiais para evitar infecções", explicou. Nobre defende programas e investimentos em políticas públicas mais próximas das gestantes para incentivar o parto normal. (Flávia Marques)



0 comentários: