29 de março de 2010

Porquê do aumento de bebês prematuros.


Em 1978, dos bebês que nasciam no Brasil, 7,5% eram prematuros. Em 1994, o índice tinha quase dobrado. Estresse e violência estão entre as causas.


Uma questão intriga os médicos brasileiros: é cada vez maior o nascimento de bebês prematuros. Uma pesquisa feita durante 30 anos encontrou algumas respostas para esse fenômeno.

Trata-se de uma pesquisa feita em várias etapas. A mais recente começou em janeiro, no interior de São Paulo e no Maranhão. As respostas para o problema começam a aparecer: exagero no número de cesarianas, violência e até falta de atendimento médico adequado.

Uma pesquisa da USP de Ribeirão Preto começou a investigar as causas do aumento do número de bebês prematuros no país, que cresceu 25% em dez anos. O estudo, um dos mais completos já realizados no Brasil, vai acompanhar 14 mil bebês, além de três mil mulheres durante o pré-natal.

Apressados, chegaram antes da hora e hoje dependem de equipamentos e de toda atenção dos médicos. Em 1978, quando o pesquisador da USP Marco Antonio Barbieri começou a pesquisa dos bebês que nasciam no país, 7,5% eram prematuros. Em 1994, quando repetiu o estudo, descobriu que o índice tinha quase dobrado.

“A gente identificou que parte importante do aumento da prematuridade podia ser explicado pelo aumento da cesariana que em Ribeirão Preto foi de 30% para 51%”, justifica o pesquisador.

Uma década depois, novas pesquisas mostraram que o crescimento do número de nascimento de prematuros no Brasil foi de quase 25%. O levantamento foi feito em regiões extremas do país com características diferentes. Trinta anos depois, os pesquisadores querem outras respostas. Eles querem saber o principal: por que o nascimento de bebês prematuros tem aumentado tanto assim?

Nessa nova fase da pesquisa, vão ser acompanhados mais de 14 mil bebês nascidos em Ribeirão Preto, São Paulo, e em São Luís do Maranhão. Três mil mulheres também vão ser estudadas durante o pré-natal. Vai ser o estudo mais completo já realizado no Brasil sobre o nascimento de bebês prematuros.

Nos hospitais de Ribeirão e São Luís, os médicos já coletam a saliva das crianças, vão procurar indícios de infecção e também fazer uma investigação genética. Desse estudo complexo pode sair uma resposta para as dúvidas da dona de casa Vanessa Aparecida Menezes, mãe de uma menina prematura.

“Foi uma surpresa, eu também tinha sofrido uma acidente e tirei um raio-X. Talvez pode ser o que provocou isso”, diz a mulher.

A pesquisa pode ajudar a dona de casa Julie Anne de Souza Armaroli a entender como seu frágil bebê prematuro exibe, hoje, tanta saúde e energia: “É um pouco de sofrimento que hoje a gente vê uma vitória. Desde a hora que eu fui para a maternidade até hoje, são detalhes que a gente não esquece”.

Barbieri e sua equipe ainda vão se debruçar sobre muitas informações, mas já têm algumas pistas que explicam por que tem nascido cada vez mais bebês prematuros no país. “Estresse, violência contra a mulher, violência no serviço médico. Essas são partes de um grande todo que nós queremos saber para que se possa modificar as situações que estão favorecendo o aumento da prematuridade”, cita o médico.

Fonte: Bom Dia Brasil.

0 comentários: